Hats…. Chapéus… Qualquer um os faz…. Anyone can make one!

image image

Esta manha alguem me pediu o molde para os chapeus. quando recusei, levei com o “não sei porquê… qualquer um os pode fazer….”
E sim, eu não sou especial, qualquer um pode de facto fazer chapéus,
mas neste momento os chapéus são o meu sustento… Logo… Lamento ser “sovina”…

This morning someone asked me for my hat patern…. When i recusei, i got the “i don’t understand why not, anyone can make them”
And Yes, anyone can make one, i am not special… This is the way i earn money these days, so, i am sorry for being such a scroge!

Spring…

Spring…

Chegou a primavera e o Sol brilhou. Faço chapéus para pessoas que passaram por momentos difíceis… Chapéus para o sol… Mas, acima de tudo, para o Sol que Brilha dentro delas!

Dona de casa pindérica!

20130218-124512.jpg

As pessoas que me rodeiam parecem estar sob a sensação que eu passo os meus dias em casa sem fazer nada… Estava por isso a pensar adoptar o estilo de dona de casa pindérica… Que acham? Acham que me assenta bem?

Ok, faltam os rolos… Mas acho que preciso de deixar crescer mais o cabelo…. Ah, sim, e rímel, esborratado. Acho que “talvez” tenha tempo para me pintar de manhã….

(A trabalhar na colecção primavera/verão, ah, pois é!)

Viver sem tacto MATA (sobre o facebook)

20130217-191226.jpg

Tenho 808 amigos no facebook. Ontém, tinha 809.
Eu sei, é um absurdo, mas, a não ser que suspeite da pessoa, aceito o seu pedido, dando-lhe sempre a beneficio da duvida…
O facebook é uma coisa estranha… Primeiro aceitei os amigos, depois os conhecidos… Depois há os conhecidos dos amigos, enfim… É uma bolo de neve.
E sim, passo muito tempo no facebook, não que esteja horas a fio a “olhar” para a aplicação, mas mais porque aquilo que eu faço em casa, permite-me, usar o facebook como uma espécie de escape de “dona de casa, quarentona que passa o dia agarrada a uma máquina da costura”.
Ela, a máquina, é a minha melhor amiga, mas não responde quando reclamo da vida… Normalmente encrava.
Podia falar com as paredes…. Com as portas… Com os botões… Mas falar com o facebook é para mim divertido e por vezes ele é, o meu saco de box.
E as vezes, bastantes até, alguém responde, e rio… E outras vezes, quando estou mesmo em baixo, alguém “do outro lado” diz, bora lá beber um café… E aí saio para a rua… E bebo um café com alguém de carne e osso, que me dá um abraço… E isso é… BOM!
Ontém tinha 809 amigos no facebook (nem costumo contar, mas ontem lá tive curiosidade e fui ver), mas ontem, um desses 809, uma, deixou um comentário no meu mural a dizer que eu a destratava, que não lhe dava importância…. E… Caramba, era mesmo verdade.
Depois, como fiquei tão chocada com o modo como ela me abordou, trocamos umas mensagens. E, eram acusações absurdas de alguém que eu nem conheço pessoalmente. Que comenta os meus posts, que me trata por “amiga” mas que não tem rosto, que eu não conheço, que não sei quem é, e sei só agora, que é alguém triste, que obviamente não tem um amigo verdadeiro de pele e osso para a ouvir e anda desesperadamente em busca de atenção.
De repente, tenho nos meus ombros essa culpa, de nao ter feito “likes”, de não ter lido no seu mural que estava em baixo…
Os “amigos” do facebook são mais que as mães, e sim, é verdade que não vou ver o mural de todos, e que lido com o facebook dum modo meio egoísta.
Os comentários que eu faço são o meu eu interior a deitar cá para fora palavras… E eu nunca pensei que quando fazes isso, existe alguém que fica com a estranha ideia que estás a fazer-lhe uma espécie de companhia.
Eu só faço likes quando gosto mesmo, não faço likes em páginas ou posts porque dá jeito a alguém… Apago quase todos as coisas que me colocam no mural, porque eu gosto de colar as coisas no meu próprio mural. E a verdade é que, na verdade, tal como eu disse a esta pessoa #809, “desculpa, mas nós não somos amigas!”
Estas 808 não são minhas amigas. Nem quero que sejam. E, claro, algumas delas, serão minha família, irmãos ou primos, tios, alguns serão, de facto AMIGOS, uns conhecidos, uns vagamente conhecidos, alguns caras que passam por mim na rua… Mas as amizades, as puras e verdadeiras, salvo raras excepções, tem de ser gente de pele e osso.
Se tu, e quando digo tu, digo esta mulher, 809, não tens um amigo de pele e osso para abraçar precisas arranjar um, e não sou eu.
Talvez eu seja uma egoísta qualquer, mas eu já tenho amigos, amigos com quem devia beber mais cafés, convidar para jantar, para beber um copo, ou simplesmente para sentar e dizer absolutamente NADA. Estar assim no silencio.
E que bom que eu, apesar de talvez parecer não ter, que bom que tenho essa pessoa.
E eu não estou a falar da irmã, da mãe, do marido…. Estou a dizer que toda a gente precisa de ter alguém fora de casa, para quem correr em caso de emergência, naqueles dias em que não sabes o que fazer à vida, para o teu nome não aparecer um dia num jornal qualquer em forma de artigo anti facebook.
O facebook é um lugar perigoso para arranjar amantes e amigos estranhos, mas isso também se pode fazer na fila do supermercado ou até no balcão do café onde vais todos os dias.
O facebook é um lugar fantástico para comunicares com montes de gente, 808 gentes, mas bom mesmo, é podes telefonar e dizer, Hei, hoje preciso mesmo que me dês a mão.
E ao dares a mão, na palma da mão, tens milhares de receptores impregnados na pele, que te vão ajudar a ficar sã. A saberes que fazes cá falta. Que ha loucura da boa!
Amigos sem tacto, são amigos, mas amigos com pele são melhores amigos.

No outro dia, alguém colocou um post a perguntar “dos 5 sentidos, qual achas que conseguirias viver SEM”… e as pessoas comentavam, visão, audição…. Mas na realidade, o único sentido sem o qual ninguém consegue viver é o TACTO.
O tacto é o primeiro sentido a ser apurado, dentro do ventre da mãe… E, o ultimo a esvanecer, mesmo antes do teu ultimo sopro de vida.
E que não venha esse ultimo sopro, antes que tenhas alguém para te segurar na mão, quando já não ouvires, veres, provares, ou cheirares… Porque acaso não te tenhas apercebido:
Viver sem TACTO, MATA!

(Na foto acima, eu e uma irmã que adotei…. E que conheci no mundo cybernautico)

8

20130213-223726.jpg

No final do dia, ao telefone com alguém que Mora longe:

A pessoa: então, muitos presentes?
ele com um grande riso: não.
A pessoa: nao recebestes muitos presentes?
ele com um grande sorriso no rosto: não recebi poucos.
a pessoa: deixa lá… Blabla lengalenga sobre quando os teus pais tiverem dinheiro…
Ele com um grande sorriso no rosto: poucos, mas BONS!
A pessoa do lado de lá: pois, mas depois vais ganhar mais presentes!
Ele com um grande sorriso no rosto: MAS HEI! NÃO QUERES SABER COMO FOI O MEU DIA? O meu dia foi assim espectacular….

Os adultos deviam valorizar menos os presentes!

Nota da foto: mãe vou fazer o oito em linguagem gestual, boa?

You just don’t want to take it off…

20130209-180314.jpg

Faz-se um cast on com 84 malhas numas agulhas de 2 pontas n.5
(A lã é a kureyon 308 que mencionei no post anterior e que comprei na Retrosaria…) e usando a técnica que a Rosa usou aqui
Fiz o cós com 18 carreiras, duas meia, duas liga. Gosto do cós alto, acho que assenta melhor, seja em que peça for…
E o resto do gorro, tricotei em meia, fi-lo bem alto, para pender.
Quando achei que estava suficientemente alto, usei a técnica bem portuguesa da biqueira de meia, (once a sock knitter, always a sock knitter), que consiste em dividir as malhas pelas 4 agulhas (neste caso 21 em cada)… E matar sempre a ultima malha de cada algulha, passando-a depois para a agulha seguinte (essa malha, no entanto, não é para tricotar).
Quando já só restam 8 malhas no total, remata-se o gorro, cortando o fio e passando-o com uma agulha de coser, pelas malhas.

Nunca tinha entendido essa coisa de se usarem gorros com qualquer roupa e independentemente da estação do ano, como agora…
E se bem que na minha idade "talvez" não fique bem tirar close ups, muito menos com a gripe que tenho, é bem certo que ninguém vai ver as rugas quando se usa um gorro em noro….

Obsession

20130207-161821.jpg

Chegaram de manhã pelas 11:30…. Dois novelos noro kureyon 308…
Quando preciso por as idéias em ordem, ponho. Mas preciso de ajuda.
Pontos. Faço pontos… Transformar-se-ão num lindo gorro como o que Rosa mostra no seu blog…. E quando no final o colocar para a habitual foto… Terei, se não arrumado as idéias, pelo menos um lindo gorro para me aquecer… E bem que preciso, com a maldita gripe que apanhei esta semana!